20 de março de 2009

Lançamento: POESIAS DE ESPANHA



COLEÇÃO POESIAS DE ESPANHA


Os 70 anos do encerramento da Guerra Civil Espanhola, um dos episódios mais cruéis e de maior impacto do séc. XX, serão lembrados no dia 1º de abril de 2009. Para marcar a data, a editora Hedra lança, no dia 3 de abril na Casa das Rosas, a coleção Poesias de Espanha: das origens à Guerra Civil, uma antologia poética em quatro volumes que reúne as literaturas galega, espanhola, catalã e basca, todas elas profundamente marcadas pela Guerra Civil Espanhola.


Os volumes que serão lançados, intitulados Poesia galega, Poesia espanhola, Poesia catalã e Poesia basca, todos com o subtítulo “das origens à Guerra Civil”, reúnem uma seleção de poemas e autores representativos dos principais períodos históricos de cada literatura, desde suas origens como manifestação literária, a partir do séc. XII, até a Guerra Civil Espanhola, encerrada em 1º de abril de 1939.


O corte temporal, além de abarcar as origens da poesia de cada uma das línguas, destaca a importância da Guerra Civil Espanhola para as quatro literaturas, simultaneamente como elemento de ruptura e fator de convergência, na medida em que representa o desaparecimento de toda uma geração de escritores perdida na guerra ou no exílio.


Com organização e tradução de Fábio Aristimunho Vargas, a antologia conta ainda com um amplo aparato crítico: uma apresentação geral à coleção seguida dos prefácios específicos para cada língua, notas biobibliográficas dos autores e poemas, um quadro sinótico, fonética sintática e guia comparativo das ortografias portuguesa, galega, castelhana, catalã e basca.


Entre os autores reunidos figuram nomes tão diversos como Martim Codax, Rosalía de Castro, Manuel Antonio (Poesia galega), Gonzalo de Berceo, Garcilaso de la Vega, Federico García Lorca (Poesia espanhola), Ausiàs March, Jacint Verdaguer, Bartomeu Rosselló-Pòrcel (Poesia catalã), Bernat Etxepare, José María Iparraguirre, Lauaxeta (Poesia basca), entre vários outros, além de composições e cantigas de origem popular.


O livro dedicado à poesia catalã foi premiado pelo Institut Ramon Llull, entidade responsável pela projeção no exterior da língua e da cultura catalãs, com sede em Barcelona, com a concessão de apoio à tradução em 2009.


SOBRE O ORGANIZADOR


Fábio Aristimunho Vargas é professor, escritor e advogado. Cursou direito e letras na USP. É mestre em direito internacional pela USP, especialista em direito internacional privado pela Universidad de Salamanca e especialista em estudos bascos pela Fundación Asmoz de Eusko Ikaskuntza e pela Universidad del País Vasco. Traduziu para o português os livros Atlas: Correspondência 2005--2007 [Edicions sèrieAlfa, 2008], do poeta valenciano Joan Navarro e do artista plástico catalão Pere Salinas; La entrañable costumbre [Mantis Editores, 2008], do mexicano Luis Aguilar, entre outros. É co-organizador e tradutor ao castelhano da coletânea de jovens poetas Antologia Vacamarela: português, espanhol e inglês [Edição dos autores, 2007]. Mantém o blogue Medianeiro.


DEBATE E RECITAL


Paralelamente ao lançamento haverá um debate e um recital quinquelíngue de poesia. O DEBATE abordará o tema “O impacto da Guerra Civil nas literaturas galega, espanhola, catalã e basca”. Dele participarão, entre outros, Estebe Ormazabal, professor de língua basca; Miguel Afonso Linhares, linguista e professor de espanhol em Roraima, e Fábio Aristimunho Vargas, organizador e tradutor da coleção Poesias de Espanha.


No RECITAL QUINQUELÍNGUE, escritores convidados farão leituras de poemas em galego, castelhano, catalão e basco, com as respectivas traduções ao português. Participarão das leituras, entre outros escritores, Paulo Ferraz, Alan Mills, Andréa Catrópa e Dirceu Villa. Ao final, serão apresentados vídeos com canções e baladas antigas.


APOIO

Institut Ramon Llull

Casa das Rosas


DIVULGAÇÃO

Euskal Etxea Brasil

Associação Cultural Catalonia

Coletivo Vacamarela

Instituto Cervantes


SERVIÇO


Coleção Poesias de Espanha, em quatro volumes: Poesia galega: das origens à Guerra Civil, Poesia espanhola: das origens à Guerra Civil, Poesia catalã: das origens à Guerra Civil e Poesia basca: das origens à Guerra Civil, editora Hedra, 2009.

Organização e tradução Fábio Aristimunho Vargas.

  • Lançamento: dia 03 de abril, a partir das 19h,
  • Debate: O impacto da Guerra Civil nas literaturas galega, espanhola, catalã e basca.
  • Recital quinquelíngue com a participação de escritores convidados.


Casa das Rosas

Av. Paulista, 37 -Bela Vista
Fone: 11 3285-6986/ 3288-9447
Funcionamento: de terça a sexta, das 10h às 22h. Sábados e domingos, das 10h às 18h.


INFORMAÇÕES À IMPRENSA


Marcele Rocha

11. 9417 – 0169 | 11. 3097 – 8304

marcele@hedra.com.br




5 de março de 2009

Poesias de Espanha

Assista e ouça a todas as interpretações musicais de composições indicadas na antologia Poesias de Espanha: das origens à Guerra Civil (São Paulo: Hedra, 2009. Organização e tradução de Fábio Aristimunho Vargas), coletânea em quatro volumes que reúne as poesias galega, espanhola, catalã e basca do séc. XII a 1939, ano do fim da Guerra Civil Espanhola.


As línguas da Espanha



POESIA GALEGA


Ondas do Mar de Vigo

Cantiga de autoria de Martim Codax (séc. XIII).

video

Créditos da interpretação: Synfonye. Dir. Stevie Wishart.

Fonte: o link original da música.


Santa Maria, Strela do dia (Santa Maria, Estrela do dia)

Cantiga que integra o cancioneiro das Cantigas de Santa Maria, cuja autoria é tradicionalmente atribuída a Afonso X o Sábio (1221-1284).
video

Créditos da interpretação: Petrônio Joabe, Elton Becker e João Omar, integrantes do Projeto Música e Literatura.

Fonte: o link original. Neste endereçotranscrições e melodias de todas as Cantigas de Santa Maria. neste endereçofac-símiles e gravuras dos manuscritos medievais.



POESIA ESPANHOLA


Vivo sin vivir en mí (Vivo sem viver em mim)

Poema de Santa Teresa de Ávila.

video

Créditos da interpretação: não discriminados.

Fonte: o link original da interpretação.



POESIA CATALÃ


La cançó del comte l’Arnau (A canção do conde Arnau)

Famosa canção popular surgida por volta do séc. XV.

video

Créditos da interpretação: Montserrat Figueras i Francesc Garrigosa, en Cançons de la Catalunya Mil·lenària. Planys & llegendes. Capella Reial de Catalunya, dirigida per Jordi Savall. Audivis-Astrée (1991).

Fontes: o link original da música, que traz outras interpretações da canção, e a tradução do Medianeiro.


El mariner (O marinheiro)

Canção popular do séc. XVI.

video

Créditos da interpretação: Llibre de cançons - crestomatia de cançons tradicionals catalanes. Edició amb les melodies i els textos íntegres, revisats i comentats a cura de Joaquim Maideu i Puig. EUMO Editorial. Secció II: Cançons baladístiques o líriconarratives.

Fonte: o link original da música.


Un lloro, un moro, un mico, i un senyor de Puerto Rico (Um louro, um mouro, um mico, e um senhor de Porto Rico)

Canção novecentista de autoria desconhecida, até hoje bastante popular.
video

Créditos da interpretação: gravação da banda Dijous Paella, que pode ser baixada gratuitamente no endereço eletrônico do grupo sob o nome Un Senyor de Puerto Rico.

Fontes: o link original da música e a tradução do Medianeiro.


La Balanguera (A Balangueira)

Poema de Joan Alcover (1854-1926) musicado por Amadeu Vives (1871-1932), alçado a hino oficial de Maiorca em 1996.

video

Créditos da interpretação: Maria del Mar Bonet - Concert de presentació de 'Raixa', al Palau de la Música Catalana de Barcelona.

Fonte: o link original, que apresenta diversas versões oficiais e livres do hino. Aqui há outra interpretação.


POESIA BASCA


Neska ontziratua (A moça raptada)

Balada basca de origem popular, também conhecida por seu verso inicial, Brodatzen ari nintzen (Eu estava bordando), datada do séc. XVIII-XIX.

Versão com legendas em basco:

video

Versão com legendas em basco e português:

video

Créditos da interpretação: Mikel Urdangarin.

Fontes: o link original e a tradução do Medianeiro.


Maiteak erran zerautan (Minha amada me perguntou)

Canção basca de origem popular, datada do séc. XVIII-XIX.

video

Créditos da interpretação: Iñigo Salaberria eta Arantza Cuesta Ezeiza. Kantutegiaren egilea: R.M. AZKUE.

Fontes: o link original da música e um link com a transcrição.


Gernikako Arbola (A Árvore de Guernica)

Hino composto em 1853, com letra de José María Iparraguirre (1820-1882) e música de Juan María Blas de Altuna y Mascarua (1828-1868).

video

Créditos da interpretação: não discriminados.

Fonte: o link original.